sábado, 16 de novembro de 2013

O que são raios cósmicos?

Vocês já ouviram falar de raios cósmicos? O que seriam?

Raios cósmicos é o nome que se dá à radiação altamente energética que vem do espaço sideral e chega ao nosso planeta. São compostos de partículas subatômicas que tem velocidade próximas a da luz.

A cada segundo, cada metro quadrado da alta atmosfera é atravessado por mil raios cósmicos que vem de todas as direções.

Eles são provenientes do nosso Sol e explosões de estrelas. Eles tem carga elétrica e ionizam o ar por onde passam. A grande maioria é absorvida pelo ar e não chega ao solo, porém um pequena parte consegue chegar e pode ser detectada por equipamentos próprios para isso. O Observatório Pierre Auger na Argentina é um exemplo de sistema de detectores de raios cósmicos. Veja um esquema e uma imagem deste observatório:





As partículas energéticas que atingem o topo da atmosfera da Terra (radiação primária) interagem com os átomos da atmosfera produzindo novas partículas (radiação secundária) e assim sucessivamente. Chamamos isso de chuveiro de raios cósmicos como pode-se ver na figura abaixo:


Participem, comentem, tirem suas dúvidas!

Até a próxima!


Referências:

Figuras do Observatório Pierre Auger retiradas de: http://top.gae.ucm.es/auger/http://astro.uchicago.edu/research/auger.php

Figura do chuveiro de raios cósmicos retirada de: http://www.lip.pt/outreach/multimedia.php



domingo, 10 de novembro de 2013

Última chamada - Fotos da Lua no dia do eclipse

Olá pessoal!

Algumas pessoas já me enviaram as fotos que tiraram no dia do eclipse penumbral.

Outras me falaram que iriam mandar, mas ainda não me mandaram. Então vou esperar só mais essa semana. Na próxima semana premiarei a melhor foto.

Lembrem-se: não deu para registrar o eclipse, então estou aceitando as fotos da Lua que conseguiram tirar ok?

Para inspirá-los mais um pouquinho, vejam aqui abaixo alguns vídeos do Eclipse Solar que aconteceu no último 3 de novembro. Infelizmente não deu para ver aqui de São Paulo, mas aí quando isso acontece, vemos vídeos de outros lugares que foi possível observar este lindo fenômeno!





Vejam esse vídeo aqui  que mostra o eclipse que foi visível em parte do Brasil, em  Pernambuco:

Abraços a todos! Aguardo as fotos!




domingo, 27 de outubro de 2013

Sobre o Eclipse Penumbral

Olá a todos!


O último desafio que lancei foi o de registrar o elipse penumbral da Lua que ocorreu no dia 18 de outubro.

Vejam todos os tipos de eclipses lunares que podem ocorrer:



A parte mais escura da sombra, onde toda a luz é bloqueada, chamamos de umbra. Já a parte mais clara da sombra, na qual um pouco de luz incide, chamamos de penumbra.

O eclipse penumbral da Lua ocorre quando a Lua passa através da penumbra da Terra. 



Quem tentou registrar, viu que foi muito difícil até perceber que estava ocorrendo o eclipse. O eclipse penumbral é muito discreto, tênue e este do dia 18 em particular, foi muito difícil de ver mesmo.



Neste eclipse 79% da Lua atravessou a penumbra da Terra, o que resultou uma pequena redução de brilho. Por isso foi tão difícil percebê-lo.



Para vocês terem uma ideia, vejam o vídeo abaixo que mostra uma simulação do que deveria ser visto:





Então, como foi difícil de registrar o eclipse, estou aceitando as fotos e vídeos que conseguiram fazer no dia 18/10 da Lua. Alguma pessoas já me enviaram. Vou dar mais alguns dias para os demais mandarem seus registros. O prêmio vai para a melhor foto, ok? Digam o horário que as fotos ou vídeos foram feitos. Depois colocarei aqui no blog todos os registros que forem enviados.

Mandem para meu email: mariaclaraa.amon2@gmail.com ou via Facebook: Maria Clara Santarelli.

Estarei aguardando a participação de todos!




Referências:

quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Desafio relâmpago - Fotos do Eclipse de Amanhã

Boa noite pessoal!

Vamos a mais um desafio! Este é relâmpago, quem quiser participar tem que estar esperto!



Amanhã teremos uma eclipse penumbral da Lua. Ele será visto de todo o Brasil e aqui em São Paulo vai começar às 18:51 e terminar às 22:50.

Para mais informações entrem neste link: Calendário da Lua

O desafio é o seguinte: Tirem fotos do eclipse e mandem para meu email: mariaclara.amon2@gmail.com

O autor da melhor foto vai ganhar o livro "Fascínio do Universo".  Colocarei depois aqui no blog as fotos enviadas.


Participem!! Estou aguardando as fotos de vocês e vou tirar as minhas também!

Abraços

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Desvendando o desafio!


Olá pessoal!


Depois de muito tempo afastada, estou de volta.

Vou solucionar o desafio que propus em fevereiro deste ano: http://belezadafisica.blogspot.com.br/2013/02/desafio.html#comment-form

A imagem abaixo é o que os físicos chamam de um “event display”, que é uma reconstrução de um evento que é feito através de um programa de computador a partir do que o detector de partículas registrou para aquele evento. Esta imagem que estamos vendo mostra uma das formas possíveis de se encontrar o bóson de Higgs:


Não é feita esta reconstrução para todos os eventos num acelerador de partículas, pois é necessário muito tempo para o computador fazer uma imagem dessas e são inúmeros eventos que ocorrem a cada segundo. 

Estas imagens também podem ser feitas em eventos simulados, que ainda não foram detectados.

O bóson de Higgs é uma partícula que pela teoria do Modelo Padrão seria aquela responsável por dar massa as demais partículas.

Para saber mais sobre o bóson de Higgs vale a pena dar uma olhada em outras postagens do blog:

Não é nada fácil para os físicos que trabalham no LHC detectarem um bóson de Higgs. Não é possível detectá-lo diretamente, pois ele é bastante instável, ou seja, não existe por muito tempo, somente uma pequena fração de segundo, transformando-se após isso em outras partículas. Chamamos isso de decaimento. Assim, o que se detecta são os produtos do decaimento.  Estes decaimentos deixam rastros nos detectores do LHC permitindo assim que os físicos os estudem e reconstruam o que havia antes destes decaimentos.

Por ter uma massa elevada, o bóson de Higgs pode decair de diversas formas, o que chamamos de canais de decaimento. O bóson de Higgs tem pelo menos uns seis canais de decaimento. Alguns canais são mais prováveis que outros.

Dois canais que são mais investigados pelas experiências ATLAS e CMS do LHC são o canal de decaimento por fótons (Para saber mais sobre o fóton: http://belezadafisica.blogspot.com.br/2013/01/modelo-padrao-parte-6.html)  e o canal de quatro léptons (Para saber mais sobre os léptons: http://belezadafisica.blogspot.com.br/2012/12/modelo-padrao-parte-4.html). Estes canais não são os mais prováveis. Mas então por que estes são os canais mais investigados?

Isso acontece porque estes canais são mais limpos de se detectarem, livres de ruídos como os físicos dizem. Os ruídos são produzidos por outras partículas e que atrapalham na detecção de outros canais. Então alguns canais que são mais prováveis tem muitos ruídos, dificultando sua detecção.

Só para vocês terem uma ideia, em um segundo os feixes de prótons que circulam o LHC se cruzam 20 milhões de vezes dentro do detector ATLAS e em cada cruzamento desses tem-se em média 20 colisões, ou seja, são muitos eventos acontecendo e muitos dados produzidos por segundo.

Voltemos à imagem. Esta imagem então mostra um dos canais de decaimento do bóson de Higgs, o canal de decaimento de 4 léptons, dando para ver duas linhas que se destacam acima e abaixo de um feixe de linhas centrais.

Então vamos as respostas dos participantes do desafio:

O "Contato com a física" acertou dizendo que a figura tem a ver com o bóson de Higgs e com sua descoberta, pois é uma evidência de que talvez um bóson de Higgs tenha decaído desta forma, porém não se tem 100% de certeza ao ver um decaimento destes. É necessário ter mais evidências, vários detectores trabalharem juntos para um validar o resultado do outro e assim por diante.

O "molesma" disse que a figura mostra instantes após uma colisão de 2 prótons e que era o decaimento do bóson de Higgs e está correto! A única correção é que são 4 léptons neste decaimento. Gostei bastante desta resposta pois falou de canais de decaimento.

O Gabriel Biajoli também acertou dizendo que é o resultado da colisão entre dois prótons.

O Victor Zaniolo disse que a imagem era uma concepção artística dos rastros deixados pelos Prótons ao colidirem no então famoso LHC, para uma possível observação do Bóson de Higgs. Está correto também! Só a correção de que a imagem é uma reconstrução de um evento, que pode ser real ou simulada. Ele também disse que a grosso modo, seriam estilhaços representados por essas linhas aleatórias resultantes do choque entre duas ou mais partículas.  Também gostei bastante desta resposta pois falou sobre uma possível observação e não certeza, como eu já havia dito anteriormente.

A Ester não citou o bóson de Higgs, mas falou sobre os prótons que produzem o bóson de Higgs.

A Eduarda complementou a resposta da Ester falando da colisão entre partículas.

Todos os participantes de uma forma ou de outra, disseram coisas importantes sobre a imagem e estão todos de parabéns!

Mas como eu disse que iria escolher a melhor resposta, vamos lá. Vou escolher dessa vez duas respostas que acho que se complementam e que eu gostei bastante: São as respostas do molesma e do Victor! Parabéns!!

A lembrancinha vai ser um jogo de baralho sobre partículas elementares criado pelo Prof. Dr. Helio Takai do Laboratório Nacional de Brookhaven nos Estados Unidos que cedeu gentilmente para mim. Entrarei em contato com vocês para combinarmos o envio!

Continuem participando do blog e dos desafios. Até a próxima!


Para saber mais:

Referências:

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/noticia.php?artigo=como-fisicos-procuram-boson-higgs&id=010830120703

quarta-feira, 24 de julho de 2013

Desculpas pela pausa nas postagens

Caros leitores,

Peço desculpas pela grande pausa que dei nas postagens do meu blog.

Estou em um momento importante da minha carreira, que é a escrita da minha dissertação de mestrado.

Vários posts estão no meu planejamento, porém não estou conseguindo ter tempo para organizá-los e postá-los.

Em breve, estarei de volta com assuntos interessantes para compartilhar com vocês.

Aguardem!

Abraços

domingo, 2 de junho de 2013

Melhores notas da OBA na E. E. Patriarca da Independência


As 10 melhores notas na prova da XVI Olimpíada Brasileira de Astronomia serão enviadas para a comissão julgadora e concorrerão com os alunos selecionados das demais escolas do país.

Todos os participantes receberão um certificado de participação.

A seguir os nomes dos alunos que foram selecionados:







                                          1º lugar: David Gabriel Toro M. Nicolau - 3ºB

2º lugar: Thiago Aleixo Ramos – 2ºB

3º lugar:  Murilo Scapinelli Novais  - 3ºB
          Gleide da Silva Lima      - 3ºB

4º lugar: Victor Hugo Barros dos Santos  - 2ºA

5º lugar: Clesia dos Reis Correia   - 2ºC

6º lugar: Thaís Aline Gonçalves  - 1ºB
                  Jéssica Carolina Severino – 1ºB

7º lugar: Taynara Cocato dos Santos – 1ºF
                  
8º lugar: Vinicios Gonzaga Pires da Silva – 3ºA
                  Amanda Alves de Oliveira – 3ºC

9º lugar:  Clesiane dos Reis Correia – 2ºC

10º lugar:  Matheus Fransiozi Bezerra – 2º B
                     Denis Diogo Paffaro – 2ºC
            
           

Parabéns aos selecionados!! Parabéns a todos participantes!
        
        E que venham as próximas olimpíadas!!



segunda-feira, 13 de maio de 2013

Atenção professores de Física do EM!! Abertas as inscrições para a Escola de Física CERN 2013 - Inscrições Prorrogadas até 9 de junho!!!


Atenção professores de Física do Ensino Médio!! Não percam esta grande oportunidade!
De hoje até o dia 31 de maio de 2013 estarão abertas as inscrições para a participação de professores brasileiros na Escola de Física no CERN, em Genebra, Suíça.
O CERN é um dos maiores laboratórios de Física do mundo e que abriga o maior acelerador de partículas, o LHC. Este laboratório tem um programa de Educação desde 2007 destinado a professores de diversos países da Europa, que incluem visitas às instalações, cursos sobre Física de partículas sempre ministrado na língua dos participantes, pelos pesquisadores do CERN que falam estas línguas.
Desde 2009 a Escola de Física ministrado na língua portuguesa, que era anteriormente destinado somente aos professores portugueses, conta com a presença de professores de Física brasileiros, além de professores de países africanos que também falam língua portuguesa.
Eu fui uma das professoras selecionadas em 2011 e foi uma experiência incrível! É o sonho de todo o Físico conhecer o CERN! Vejam algumas fotos minhas lá:


Por isso incentivo muito os professores de Física a se inscreverem e tentarem uma vaga neste ano de 2013. Serão selecionados 30 professores brasileiros de Física do Ensino Médio oriundos das redes municipal, estadual, federal e particular de ensino. Para tanto, a Sociedade Brasileira de Física, através de sua Secretaria para Assuntos de Ensino, com o apoio do CBPF e com recursos oriundos da CAPES, está coordenando o processo de inscrição e seleção de professores brasileiros de Ensino Médio que participarão desse projeto.
A Escola de Física CERN neste ano será de 1 a 7 de setembro.
Não percam esta chance!
Para mais informações, entrem no site e confiram o edital: http://www.sbfisica.org.br/v1/escolacern/index.php/edicoes/2013
Se tiverem alguma dúvida, não hesitem em entrar em contato comigo ou com qualquer outro professor que já participou nas edições anteriores!
Vejam algumas postagens neste blog da época que fui, vejam as fotos de lá nos links abaixo:
Boa sorte a todos!!

domingo, 12 de maio de 2013

Alunos do EM do Patriarca participando da XVI Olimpíada Brasileira de Astronomia

Nesta última sexta, dia 10 de maio de 2013, foi o dia da XVI Olimpíada Brasileira de Astronomia (OBA) em todo o Brasil.

Os alunos dos EM da escola em que dou aulas, E. E. Patriarca da Independência em Vinhedo - SP, marcaram presença! Foram 51 alunos que participaram. Vejam as fotos!



Correu tudo bem nas 4 horas de prova! Estou torcendo por vocês!! Quem sabe não vai aparecer algumas medalhas este ano hein?!

Quem quiser saber mais sobre a OBA, entre no site: http://www.oba.org.br/site/index.php

Depois faremos a discussão sobre a resolução das questões.

Lembrando que na semana que vem tem Aula de Astronomia, na sexta-feira, das 12:30 às 13:30 no Patriarca. Apareçam!



domingo, 24 de fevereiro de 2013

Mais um tempinho para vocês pensarem

Olá a todos!

Eu lancei um desafio no dia 12 de fevereiro sobre a explicação de uma imagem: 


Até agora duas pessoas responderam somente, então vou deixar mais um tempinho para dar a solução do desafio.

Vocês podem fazer suas pesquisas sobre o assunto em diversas fontes. Coloquem a resposta mais completa possível que conseguirem ok? 

Não tenham medo de participar, de cometer erros. Isso faz parte da aprendizagem. 

Depois comentarei todas as respostas, no mesmo esquema que fiz no desafio anterior: 



Vamos lá, participem do desafio!!



sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

Meteoros e Asteróides são a mesma coisa?

Não, não são a mesma coisa.

Hoje, dia 15 de fevereiro tivemos duas notícias de um meteoro que caiu na Rússia nesta madrugada e às 17:00 o asteróide 2012 DA14 passaria bem próximo da Terra, a uma distância menor do que a distância  Terra-Lua. Muito provavelmente não haja nenhuma ligação entre estes dois corpos.

Então vamos entender o que é cada um deles:

A palavra meteoro significa fenômeno atmosférico. Então qualquer fenômeno ocorrido na atmosfera, pode ser considerado um meteoro. Por isso o nome de meteorologistas para as pessoas que estudam fenômenos ocorridos na atmosfera.

Um meteoro como este da Russia é um corpo celeste pequeno que entra na nossa atmosfera. Com o atrito com o ar ele queima-se em parte ou completamente. Quando ele atravessa a atmosfera, vemos um rastro por onde passou, devido à sua queima. Podemos ter meteoros que são pedaços de asteróides (nestes casos a constituição é similar ao do asteróide) ou restos de cometas. Na cultura popular os meteoros são chamados de estrelas cadentes, porém é um nome que não é apropriado. Veja também em outro post quando falei disso: http://belezadafisica.blogspot.com.br/2011/10/linda-imagem-de-uma-estrela-cadente-e.html

Veja o vídeo que mostra a entrada do meteoro de hoje na atmosfera:

 


Neste outro vídeo podemos ter uma ideia das ondas de choque geradas pela passagem do meteoro:
 

Muitas pessoas se feriram por conta de quebras de vidro, telhado e outros objetos e não necessariamente por fragmentos do meteoro.

Quando um meteoro não se queima por completo e consegue atingir a supefície da Terra, nos os chamamos de meteoritos. Em um próximo post falaremos mais sobre os meteoritos.

Os asteróides são corpos celestes rochosos e metálicos que estão espalhados pelos Sistema Solar. Os astrônomos se interessam muito pelos asteróides pois eles contêm materiais dos estágios finais da formação do Sistema Solar. Eles possuem órbitas definidas que podem se aproximar ou até cruzar a órbita da Terra. Conhecemos hoje mais de 500 mil asteróides.

O asteróide 2012 DA14 que passou próximo da Terra hoje foi descoberto ano passado. Ele tem aproximadamente 50 m de diâmetro e é composto de silicatos, ferro e níquel. Ele passou a uma distância de 27.600 km da Terra. A esta distância da Terra estão os satélites meteorológicos. Para vocês terem uma ideia, a distância da Terra até a Lua é de 385.000 km, portanto foi bem mais perto do que a Lua que este asteróide passou. Este asteróide é proveniente do Cinturão de Asteróides situado entre os planetas Marte e Júpiter.

Veja nesta simulação:
 
 
Este link abaixo tem vídeo do site da Nasa mostra o asteróide 2012 DA14 visto de um observatório da Austrália: 

Em 1908 um objeto de tamanho similar a este asteróide colidiu com a Terra na Sibéria, derrubando 80 milhões de árvores em 200 quilômetros quadrados.

A ideia de monitorar estes corpos celestes é de prevenção e planejamento para possíveis choques de corpos celestes destas dimensões com a Terra.

Comentem este post, mandem suas dúvidas!

Abraços

Referências:
- Vídeos do Youtube:


terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

Desafio!!

Olá pessoal!

Lanço mais um desafio aqui no Blog. Todos os leitores podem participar!

Vai ganhar uma lembrancinha quem der a melhor resposta.  Quando eu for desvendar o desafio vou comentar sobre todas as respostas e vou eleger a melhor delas ok?

Gostaria de saber o que significa esta imagem abaixo:


Eu já havia feito esta pergunta em um dos posts, mas ninguém respondeu ainda. Vamos lá, essa é a sua chance!

Participem! 

Mandem suas respostas nos comentários. Se alguém tiver dificuldades de postar a resposta, entre em contato comigo por e-mail: mariaclara.amon2@gmail.com ou facebook: https://www.facebook.com/MariaClaraSantarelli

Abraços a todos!

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

Modelo Padrão - Parte 7: Bóson de Higgs e Campo de Higgs

Olá a todos!

Vamos continuar nossas discussões sobre o Modelo Padrão?

Hoje vamos ver um vídeo que explica o que é o bóson de Higgs e como ele funciona, dando massa para as demais partículas, segundo a teoria do Modelo Padrão.

Este vídeo foi postado uns dias depois que o  CERN fez o pronunciamento de que teriam encontrado um bóson, e que teria grande possibilidade de ser o Higgs.  Estamos ainda aguardando uma confirmação. Veja também esta postagem anterior:

Veja o vídeo:

E aí? O que acharam?

Mandem seus comentários e perguntas ok?

Vejam também porque não é correto chamar o bóson de Higgs de partícula Deus:
http://belezadafisica.blogspot.com.br/2012/07/sera-que-e-correto-chamar-o-boson-de.html

Preparem-se! Vou lançar um desafio amanhã!

Referências:
Vídeo da Veja no Youtube: http://www.youtube.com/watch?v=MD8kl_PVZA8

segunda-feira, 14 de janeiro de 2013

Modelo Padrão - Parte 6

Vamos continuar a desvendar o Modelo Padrão?


Na última postagem faltou falarmos das partículas mediadoras não é mesmo?


As partículas mediadoras são responsáveis pelas interações entre as partículas. Precisamos então saber quais são os tipos de interações fundamentais presentes na natureza, que são as seguintes: interação gravitacionalinteração eletromagnética, interação forte e interação fraca. Elas se manifestam através da  força gravitacional, força eletromagnética, força forte e força fraca respectivamente. Todas as demais forças que conhecemos (força elástica, força normal, força de atrito, força elétrica etc) são derivadas destas quatro forças fundamentais. Mas para que a mensagem da força seja transmitida de uma partícula para outra é necessário algum mensageiro. Aí é que entram em ação as partículas mediadoras, também chamadas de partículas de força ou bósons de calibre. Então as partículas interagem trocando partículas entre si. 

Para a interação eletromagnética a partícula mediadora é o fóton. Sabemos que objetos com cargas elétricas iguais se repelem e com cargas opostas se atraem. Também sabemos que os pólos iguais de imãs se repelem e pólos opostos se atraem. Nestes exemplos a força eletromagnética está presente. A força se manifesta por conta da troca de fótons entre as partículas. Temos fótons de quantidades diferentes de energia (ondas de rádio, micro ondas, infravermelho, luz visível, ultravioleta, raio X e raio gama) como vemos no espectro eletromagnético abaixo:
Figura 1: Espectro eletromagnético

Os fótons não possuem massa e sua velocidade no vácuo é a velocidade da luz (300.000 km/s ou 3. 108 m/s).

A  interação eletromagnética também é responsável por manter átomo juntos para formarem moléculas. Se formos pensar bem, os átomos na sua maioria tem carga elétrica neutra, pois possuem mesma quantidade de elétrons e de prótons. O que se observa é que os elétrons de um átomo são atraídos pelos prótons de outro átomo, o que permite então que os átomos sejam atraídos mutuamente, mesmo tendo carga elétrica nula. Chamamos isso de interação eletromagnética residual. Se este fato não acontecesse, não se formariam moléculas e estruturas conhecidas no Universo.
            
interação forte por sua vez tem o glúon como partícula mediadora. Você já se perguntou como é que o núcleo de um átomo fica coeso, sendo que lá existem prótons com carga elétrica positiva? Nós sabemos que cargas iguais se repelem... Aí entra em ação a força forte, que é uma força de curto alcance. Se formos olhar para os prótons e nêutrons constituintes do núcleo, sabemos que cada um deles é formado por 3 quarks. Estes por sua vez tem carga de cor e a força de atração que estas cargas de cor tem entre si é bastante forte. Os glúons são como se fossem um tipo de cola que mantêm os quarks confinados dentro dos hádrons.
            
Porém, como vimos anteriormente, cada um dos 3 quarks possui uma cor diferente, que juntas, resultam a cor branca, ou seja, com carga neutra de cor. Como se explica o núcleo ficar coeso então? Isso ocorre pois a força forte dentro dos hádrons consegue superar a força eletromagnética de repulsão entre os prótons. Chamamos isso de interação forte residual, permitindo então que o núcleo fique coeso.
            
A interação fraca é mediada pelas partículas W e Z. Esta interação é responsável pelo decaimento de léptons e quarks da segunda e terceira gerações em versões mais leves da primeira geração.
            
A última interação das quatro fundamentais é a interação gravitacional, que tem o gráviton como partícula mediadora teoricamente, porém até o momento não foi detectado. Nós estudamos a força gravitacional entre corpos que possuem massa na escola. Mas até o fóton que não possui massa também é influenciado pela gravitação. O Modelo Padrão não consegue explicar esta interação muito bem como a Teoria da Relatividade Geral o faz. Mas como os efeitos desta interação são desprezíveis no nível subatômico, este problema de não saber descrevê-la inteiramente acaba não atrapalhando os avanços da teoria.
           
Para termos uma ideia da intensidade destas forças fundamentais, supondo que a força forte tenha intensidade 1, vejamos no quadro abaixo a comparação com as demais forças:

Forças da Natureza
Tipo
Intensidade Relativa
Partícula mediadora
Exemplos
Força nuclear forte
1
glúons (sem massa)
núcleos dos átomos
Força eletromagnética
 10-2
fótons (sem massa)
átomos, eletricidade
Força nuclear fraca
  10-12
Bósons Z e W (pesados)
decaimento beta
Força gravitacional
  10-38
gráviton (ainda não detectado)
corpos com massa
Figura 2: Interações fundamentais – comparação entre intensidades.

Resumindo, vimos que existem além de quarks e léptons, as partículas mediadoras das interações fundamentais da natureza. Temos o fóton, os glúons (existem 8 tipos) e os bósons Z e W (este último pode ter carga positiva ou negativa) já detectados. Destes totalizam mais 12 partículas elementares. Falta detectar o gráviton e a confirmação de detecção do famoso bóson de Higgs

Vejamos abaixo uma tabela (ABDALLA, 2005) com todas as partículas elementares do Modelo Padrão detectadas até hoje:


E aí? Vocês tinham noção de que já eram conhecidas 60 partículas elementares? Legal né?

Na próxima postagem, vamos falar um pouquinho mais sobre o Bóson de Higgs, que até caiu na prova da segunda fase da Unicamp deste ano. Para vocês verem como ele anda famoso!

Deixem seus comentários e dúvidas. Acompanhem!

Referências:
- ABDALLA, M.C.B. Sobre o discreto charme das partículas elementares. Física na Escola, 2005 6(1): p. 38-44. Disponível em: http://www.sbfisica.org.br/fne/Vol6/Num1/charme.pdf
http://www.sprace.org.br/aventuradasparticulas/index.html
- MOREIRA, M.A. O Modelo Padrão da Física de Partículas. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 31, n. 1, 1306, 2009.