quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Neutrinos mais rápidos que a luz?

Medição de velocidade feita por grupo europeu provavelmente não está correta, apostam físicos brasileiros

Na semana passada, a notícia de que cientistas haviam encontrado neutrinos mais rápidos que a luz num experimento fez vibrar o mundo da ciência. Caso os resultados estejam corretos, eles devem abalar uma das principais fundações sobre as quais a física moderna está alicerçada: a teoria da relatividade restrita.

Concebida por Albert Einstein em 1905, ela estipula que a velocidade máxima permitida no universo seria a da luz -- cerca de 300 mil km/s. Aparentemente, acelerar qualquer objeto ou partícula além desse limite exigiria energia infinita, que obviamente jamais estaria disponível.

Contudo, sem fazer força alguma, os neutrinos detectados pelo detector OPERA (sigla para Oscillation Project with Emulsion tRacking Apparatus), localizado na Itália, parecem ter percorrido uma distância de cerca de 730 quilômetros 60 bilionésimos de segundo mais depressa do que a luz o faria.
Fosse um medidor de velocidade no trânsito, certamente a pequena transgressão dos neutrinos teria passado sem multa. Mas as leis universais são implacáveis. Se passou a velocidade da luz, a premissa sobre a qual a relatividade restrita foi construída deve estar errada.

Os neutrinos são originalmente gerados no CERN, grande laboratório europeu de física de partículas que fica na fronteira entre a França e a Suíça. E foi lá que os pesquisadores do OPERA tiveram a chance de apresentar seus resultados, num seminário. "Foi uma medição direta do tempo de voo", diz Antonio Ereditato, físico da Universidade de Berna, na Suíça, e representante do grupo. "Medimos a distância e medimos o tempo, então calculamos a velocidade, como se faz na escola." De acordo com os pesquisadores, a margem de erro é de 10 nanossegundos (um sexto da diferença entre a velocidade da luz e a dos neutrinos estudados).

Questões em aberto

A comunidade física está olhando com muito ceticismo os resultados. "Se for verdade, seria fantástico, mas é muito difícil ser verdadeiro", afirma Ronald Shellard, físico do CBPF e vice-presidente da SBF. "A possibilidade de erros numa medida dessas, o que a gente chama de erros sistemáticos, causados por efeitos não levados em conta, como a variação do tamanho da Terra, ou efeitos de maré, podem explicar a discrepância."

Segundo Ereditato, até mesmo eles estão descrentes e acreditam que suas medições podem estar erradas, embora tenham buscado de todas as maneiras eliminar a possibilidade de erro sistemático. A ideia de divulgar é justamente pedir à comunidade científica que investigue o que pode estar acontecendo. "Somos obrigados a dizer alguma coisa", afirmou. "Não poderíamos varrer para debaixo do tapete, poque seria desonesto."

Até mesmo quem trabalha na fronteira da física teórica foi pego de surpresa. Nathan Berkovits, pesquisador da Unesp (Universidade Estadual Paulista), também acredita na hipótese de erro sistemático. Ele trabalha com as supercordas, uma das tentativas de unificar a relatividade e a mecânica quântica num único arcabouço teórico, e um dos preceitos dessa teoria é a existência de outras dimensões espacias, além da que conhecemos. Poderiam os neutrinos estar pegando um "atalho" em outras dimensões para chegar mais cedo que a luz?

"Não conheço nenhum modelo de dimensões enroladas que vá produzir esse efeito", diz Berkovits. "Isso não quer dizer que não exista essa possibilidade, mas nunca ouvi esse tipo de previsão vindo de dimensões enroladas. Para mim, o mais provável é que os experimentais tenham cometido algum erro sistemático."

Diante de tamanho impasse, o mundo da física aguarda ansiosamente novos experimentos, de forma a confirmar ou refutar as medições feitas pelo grupo do OPERA.

CONTATO

Comunicação Social da SBF
Salvador Nogueira
E-mail: comunicacao@sbfisica.org.br
Fone: +55 11 9178-9661

domingo, 25 de setembro de 2011

Como detectar partículas?

Bom, já vimos como obter as partículas elementares, como elas são aceleradas e que precisamos colidir estas partículas com altas energias para poder investigar melhor o produto destas colisões.

Mas como então fazemos esta investigação? Aí é que entram os detectores

Os detectores de partículas são dispositivos especiais que as rastreiam, na maioria das vezes permitem que se reconstrua a trajetória das partículas produzidas pelas colisões.

Uma partícula que tenha carga elétrica, por exemplo, quando passa por um meio qualquer, ela ioniza os átomos deste meio quando interage com eles. Desta forma conseguimos saber se ela passou por ali e por onde ela passou exatamente.

Vocês já viram uma bola de plasma? Nos shoppings sempre tem em umas lojinhas na vitrine em exposição. Abaixo tem uma foto de uma delas. O que acontece nela? No centro da bola são produzidas cargas elétricas que se deslocam para as paredes de vidro. Dentro deste vidro há um gás e quando estes elétrons passam por este gás, ele é ionizado. Quando o gás tende a voltar ao seu estado inicial anterior à excitação, seus átomos emitem luz, que são estes raios bonitos que vemos na bola de plasma. Conseguimos ver então nestes raios, por onde os elétrons passaram, ou seja, sua trajetória.

Já para partículas neutras (que não tem cargas elétricas), não podemos contar com a ionização do meio por qual passam. Aí deve-se aplicar as leis de conservação de quantidade de movimento e de energia, o que possibilita deduzir por onde a partícula passou.
Basicamente o princípio de detecção é esse. É claro que os principais detectores do LHC (ATLAS, CMS, ALICE e LHCb) são bastante sofisticados e precisamos detalhar melhor o processo de detecção. 

Vamos falar sobre isso mais adiante ok?!

Prometo que até a prova de quinta-feira não vai ser postado nada de novo. 


Bons estudos!! Qualquer dúvida, postem em comentários, e as dúvidas serão respondidas ok?!

Referência Bibliográfica: 
PIETROCOLA, M. et al. Coleção Física em Contextos - Pessoal, Social e Histórico.São Paulo: FTD, 2010 - volume 3.

Um pouco mais sobre o LHC

Pessoal, achei uma apresentação bem didática sobre o LHC. Dêem uma olhada: Infelizmente saiu do ar aquela apresentação.

Então coloquei outro vídeo de uma reportagem de 28 de junho de 2009 para que vocês vejam as expectativas de todos com este acelerador:





Quem quiser ver em tela cheia, clique aqui: (Infelizmente saiu do ar...)
http://video.globo.com/FlashShow/0,,18316,00.swf


Esta apresentação (que saiu do ar) foi retirada deste link:
http://g1.globo.com/Noticias/Ciencia/0,,MUL1550336-5603,00.html

Abraços

Notícia do dia 22/09 do Jornal Nacional sobre experiência do CERN

No dia 22 de setembro o Jornal Nacional publicou a seguinte notícia:

Cientistas dizem ter achado partícula mais rápida que a velocidade da luz

Para quem não viu, aqui está a notícia:




A notícia por escrito está neste link:


Sem dúvida é uma notícia muito bacana, mas temos que ter cautela para não tirar conclusões precipitadas. Como o próprio cientista chefe da experiência, Antonio Ereditado disse, eles resolveram divulgar os resultados encontrados para que mais cientistas pudessem testá-los antes de terem conclusões definitivas.

É importante dizer aqui que o limite da velocidade da luz dito na matéria do JN é para o vácuo. Em outros meios já se conseguiu superar este limite, como no efeito Cerenkov.

Se este resultado for mesmo confirmado, muitas coisas na Física deverão ser repensadas, muitas teorias serão reformuladas.

Vamos aguardar as cenas dos próximos capítulos!

CERN em 3 minutos

Aqui está um vídeo do Youtube que fala sobre o CERN em 3 minutos. Só achei  em espanhol e em inglês.

Aqui está o em espanhol:


Aqui está o em inglês:


Como é o processo de acelerar partículas?

Para conseguirmos "observar" as partículas, precisamos fazer com que elas tenham altas energias. Para isso, colocamos as partículas em equipamentos que chamamos de aceleradores de partículas. Eles podem ser de vários tipos: lineares ou circulares.

Em ambos faz-se experiências de colisões. Nos aceleradores lineares, colidem-se partículas com um alvo fixo e nos aceleradores circulares, injeta-se dois feixes de partículas em sentidos opostos e quando estes atingem a velocidade desejada (velocidade próxima a da luz no vácuo), promove-se a colisão destes dois feixes.

O LHC (Large Hadron Collider - Grande colisor de hádrons em português) é um acelerador circular, que tem 27 km de extensão. Porém antes das partículas serem injetadas no LHC elas passam por outros aceleradores, o linear (LINAC 2 - onde começa o processo todo, como falei no post anterior), depois passam pelo Booster, que é circular, depois passam pelo PS e SPS, outros aceleradores circulares com raios maiores que o Booster e só depois é que o feixe é dividido em dois e injetado no LHC. Veja um esquema:

Abaixo tem um simulador para vocês brincarem um pouco:




http://www.hep.ucl.ac.uk/masterclass/Acc_sim2/simulator.html



Vocês devem apertar a tecla START para começar, depois INJECT ELECTRONS. Aí depois de injetar vocês devem segurar a tecla ACCELARATE para acelerar até 100%. Quando estiver pronto, deve-se clicar na tecla TRANSFER para transferir os elétrons para o LHC. Depois faz-se a mesma coisa para os pósitrons (INJECT POSITRONS) e acelerá-los até 100% e depois tranferir para o LHC.

Depois disso tudo, deve-se acelerar novamente os dois feixes e por fim clicar em COLLIDE, para colidir os dois feixes.

Esta é só uma simulação, está faltando alguns dos aceleradores que eu falei, como o  Booster e o PS, e além disso, no LHC aceleram-se prótons ao invés de eletrons e pósitrons. Os prótons são hádrons, por isso o LHC é o grande colisor de hádrons.

Abraços

sábado, 24 de setembro de 2011

Incentivo para os desanimados!

Olá!
Ia ser surpresa, mas como vi que tem muitos alunos desanimados em estudar para a prova, para incentivar, a pessoa que tiver a melhor prova de cada sala vai ganhar chocolatinhos suiços.
Aí sim hein?!
Bons estudos!
Abraços

quinta-feira, 22 de setembro de 2011

Fotos do terceiro dia de curso

Mais um pouco de fotos!

Avisos importantes! Provas da semana que vem!

Olá meus queridos alunos do Patriarca!

Só para ficar registrado aqui vou dar algumas orientações para as provas da semana que vem.

Para os terceiros anos (3A e 3B) a prova será constituída de:
- Perguntas sobre o CERN, LHC, partículas elementares, o que se pesquisa no CERN e como acelerar e detectar partículas;
- Perguntas sobre o projeto Foto na Lata (saber explicar o processo de aquisição da foto, revelação e fixação do negativo e positivo)

Para os segundos anos (2A, 2B e 2C) a prova será constituída de:
- Perguntas sobre o CERN, LHC, partículas elementares;
- Perguntas sobre como o som se propaga, altura do som, volume (intensidade) do som e timbre.
-Perguntas sobre como enxergamos as coisas e de como são formadas imagens na câmara escura.

Lembrem-se de ler as notícias do Blog e fazer seus comentários, marcando presença aqui ok?!

Alunos da ETECAP do 1F e 1G, faremos uma atividade semelhante, aguardem!

Bons estudos!

Abraços

Como podemos obter as partículas elementares?

Como será que podemos obter as partículas elementares? O que nós conhecemos mais são os constituintes do átomo: prótons e nêutrons no núcleo e os elétrons na eletrosfera.

Lembrando que somente o elétron é elementar destas três. O próton e o nêutron são formados cada um por outras três partículas que são chamadas quarks - estas sim são elementares.

Mas como tê-las separadamente?

Bem, se quisermos ter um feixe de elétrons, basta aquecer um pedaço de metal. Sabemos que os metais possuem seus elétrons da última camada menos ligados. Se aquecermos o material, eles começam a se agitar até que se desprendem do átomo.

Se quisermos obter prótons, devemos ionizar átomos de hidrogênio. Sabemos que o átomo de hidrogênio é formado por um próton e um elétron. Se tirarmos o elétron, vamos ficar com o hidrogênio ionizado positivamente, ou seja, vai ficar faltando um elétron e teremos apenas o próton. No LHC eles usam prioritariamente feixe de prótons. Aqui nesta foto abaixo tem um cilindro vermelho que é onde está o gás hidrogênio (H2). Aí eles tiram os elétrons como falei anteriormente e  depois injetam os prótons no acelerador linear (LINAC) para depois injetar no acelerador circular (LHC). Este é o começo de todo o processo! Depois vou explicar melhor como se aceleram as partículas.




Mas não existem somente estas partículas. Se quisermos obter partículas mais exóticas?

Aí conseguimos obter por conta dos Raios Cósmicos que vem do espaço e que podemos detectar aqui na Terra, ou em Reatores Nucleares por conta da fissão nuclear que ocorre nos reatores ou nos Aceleradores de Partículas, como o LHC, por conta das colisões entre partículas.

No próximo post falarei de como é o processo de acelerar partículas e de como detectá-las. Acompanhem!

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Do fundo do Baú

Mudando um pouco de assunto...
Achei um site que fiz para uma disciplina na Graduação de Tópicos de História da Física em 2005. É simples mas bem interessante! Fala sobre a Astronomia Egípcia.
Este post é especialmente para o grupo de Astronomia do Patriarca.

Confiram: www.ghtc.usp.br/server/Sites-HF/Maria-Clara-Amon/index.html

domingo, 18 de setembro de 2011

Fotos do segundo dia de curso

Aqui vão mais fotos! Ainda não coloquei as legendas. Vou fazer isso aos poucos ok?!
Abraços

Fotos dos dois primeiros dias

Olá pessoal!
Aqui estão algumas fotos do dia que cheguei em Genebra e do segundo dia, que aproveitamos para passear na parte da manhã, e à tarde nosso curso começou.
Aguardem as próximas fotos!
Abraços

sábado, 17 de setembro de 2011

Notícia sobre os professores brasileiros que foram ao CERN

 Segue a notícia que saiu no site da SBF (Sociedade Brasileira de Física - http://www.sbfisica.org.br/v1/index.php?option=com_content&view=article&id=334:cern-recebe-com-sucesso-mais-20-professores-brasileiros&catid=96:setembro-2011&Itemid=270 )

CERN recebe com sucesso mais 20 professores brasileiros

Iniciativa coordenada pela SBF permite que docentes do Ensino Médio das redes pública e privada visitem maior laboratório de física de partículas do mundo

cern-2011-pqnoDepois de uma semana no mais importante laboratório de física de partículas do mundo, 20 professores de Ensino Médio de escolas espalhadas por todo o Brasil voltarão cheios de histórias para contar. O evento é a Escola de Professores no CERN (Centro Europeu de Pesquisa Nucleares), que acontece todos os anos, com coordenação da participação brasileira pela Sociedade Brasileira de Física (SBF). Originalmente voltado para professores de Portugal, em 2009 ele foi expandido para atender a todos os países lusófonos.

Na edição de 2011, realizada entre 4 e 9 de setembro, foram 40 professores portugueses, 10 africanos e asiáticos (de Moçambique, Angola, Cabo Verde, Guiné-Bissau e Timor) e 20 brasileiros. "São todos professores que atuam somente ou preponderantemente no Ensino Médio", afirma Nilson Marcos Dias Garcia, professor do Departamento de Física do Campus Curitiba da UTFPR e ex-Secretário de Ensino da SBF, que chefiou a delegação brasileira. "Dos participantes deste ano, 13 são professores da rede estadual, 4 da rede federal e 3 de escolas particulares."

O financiamento do programa é feito pela CAPES Educação Básica e conta ainda com o apoio do Departamento de Popularização e Difusão da Ciência e Tecnologia do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT).

"Os professores brasileiros têm estado muito entusiasmados e empolgados com a oportunidade", destaca Garcia. "O programa consiste em aulas sobre física de partículas e sobre o funcionamento dos equipamentos e processos do CERN, na parte da manhã, e de visitas aos laboratórios e experimentos, à tarde."

O CERN fica na fronteira entre a Suíça e a França, nas proximidades de Genebra. É ele que abriga o LHC (Large Hadron Collider), maior acelerador de partículas do mundo, destinado a recriar, em suas colisões, condições similares às que existiram nos primeiros instantes de vida do Universo.

E nem só de física vive a visita. "Dentro da programação, o grupo também visitou partes importantes da cidade de Genebra", revela Garcia. Com isso, a expectativa é que eles voltem ao Brasil com bagagem suficiente para contagiar seus alunos com o que há de mais empolgante na física contemporânea. Em contrapartida, o CERN espera que colocar seus pesquisadores em contato com professores os motive a se engajar mais ativamente em atividades de divulgação científica.

Confira abaixo a lista completa dos participantes da edição 2011. Eles foram selecionados de acordo com critérios acadêmicos (como o grau de formação, o envolvimento na Olimpíada Brasileira de Física e a participação em programas de treinamento e especialização em ensino) e abrangem as cinco regiões brasileiras.


NOME
INSTITUIÇÃO
CIDADE
UF
ANDRÉIA CRISTIANE MÜLLER
Colégio Estadual 25 de Julho
NOVO HAMBURGO
RS
CARLOS EDUARDO MENDES
Palas Atena Ensino Médio
BELO HORIZONTE
MG
CHRISTIANO NOGUEIRA
Instituto Federal Sul-rio-grandense
PELOTAS
RS
DIELSON PEREIRA HOHENFELD
Intituto Federal de Educação Tecnologica
da Bahia
CAMAÇARI
BA
FABIANA BOTELHO KNEUBIL
Colégio São Luís
SÃO PAULO
SP
FRANCISCO EVANDO N. DOS SANTOS
EEM Gov. César Cals de Oliveira Filho
QUIXADÁ
CE
JOÃO RICARDO QUINTAL
Colégio Pedro II - Unidade Engenho Novo
RIO DE JANEIRO
RJ
JOSÉ BOHLAND FILHO
Instituto Federal do Espiríto Santo - IFES
ARACRUZ
ES
JULIANA LOCH
Colégio Estadual do Paraná
CURITIBA
PR
LUCIANA DA CUNHA FERREIRA
Escola Estadual Berenice Martins
MANAUS
AM
MAINARA BIAZATI GOUVEIA
Escola Estadual Porfíria Paula de Campos
VÁRZEA GRANDE
MT
MARIA CLARA IGREJAS AMON SANTARELLI
Escola Estadual Patriarca da Independência
VINHEDO
SP
OBERLAN DA SILVA
Escola de Referência em Ensino Médio
Profa. Benedita Morais Guerra
MACAPARANA
PE
RAFAEL ANDRADE PEREIRA
Escola Vera Cruz
SÃO PAULO
SP
REGINA FÁTIMA SILVEIRA FERREIRA
EE Dr. Raimundo Alves Torres
VIÇOSA
MG
RONIVAL  JOSE TONON
Colégio Estadual Dr. Xavier da Silva
CURITIBA
PR
RUBEM SILVANEY MAIA DA SILVA
Escola São Felipe
SANTARÉM
PA
WAGNER DA CRUZ SEABRA EIRAS
Instituto Federal Sudeste de Minas Gerais
Campus Juiz de Fora
JUIZ DE FORA
MG
WAGNER GARCIA PEREIRA
Serviço Social da Industria - 228
BOTUCATU
SP
WANDERSON BREDER
Colégio Estadual Eduardo Breder
NOVA FRIBURGO
RJ

CONTATO

Nilson Garcia (UTFPR)
E-mail: nilson@utfpr.edu.br

Comunicação Social da SBF
Salvador Nogueira
E-mail: comunicacao@sbfisica.org.br
Fone: +55 11 9178-9661

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Cheguei ao Brasil!

Cheguei ao Brasil no dia 13 de setembro, terça à noite. Na quarta de manhã já fui trabalhar na ETECAP e na quinta da E.E. Patriarca da Independência. Já comecei a contar sobre a viagem e sobre o curso.

Queridos alunos, aguardem as atividades especiais que faremos ok?!

Por enquanto vou continuar postando novidades no blog que ainda não deu tempo de contar e continuar aquela série de posts sobre alguns assuntos básicos que precisamos saber para entender a física de partículas.

Para quem ainda não leu, leiam o post sobre o que são partículas elementares ok?! (http://belezadafisica.blogspot.com/2011/08/o-que-sao-particulas-elementares.html) Amanhã postarei como podemos obter algumas partículas e como detectá-las.

Vou colocar também as fotos mais legais que tirei lá aqui no blog. Tenham paciência!

Abraços

domingo, 11 de setembro de 2011

Agora estou em Melgaço (Portugal)

Olá de novo!

Dia 10 sai de Genebra e vim para Lisboa de avião. Vou ficar em Portugal alguns dias. Volto no dia 13 de setembro para o Brasil.

Aqui estou com a minha família, que ainda não conhecia.

Em Lisboa, o José (Zé), meu primo, e o Luis (marido de minha prima Elisa) foram me buscar no aeroporto e passearam comigo em Lisboa o dia todo! Foi bem bacana! Logo logo coloco fotos e explico tudo o que fiz aqui.

Hoje estou em Melgaço, uma vila que fica no Minho, onde meu avô Manuel e minha avó Margarida nasceram. Estou muito feliz em conhecer meus parentes e conhecer um lugar tão lindo quanto aqui.

Estou na casa do Ventura (sobrinho de meu avô e pai do Zé e da Elisa) e Armanda (sua esposa) e estou sendo muito bem recebida.

Conto mais daqui há uns dias!

Em breve volto ao Brasil!

Saudações a todos!

Atrasos e mais atrasos...Um resumão sobre o curso no CERN (dias 4, 5, 6, 7, 8 e 9 de setembro)

Olá pessoal!

Sei que estou bastante atrasada com as notícias sobre o curso no CERN!

Por ora, tenho que dizer que foi maravilhoso! Ele acabou na sexta-feira.

Já contei o que fizemos no domingo. Vou fazer um resumão muito breve e depois com calma irei explicar mais sobre cada coisa que aprendi aqui.

Na segunda tivemos o começo de uma sequência de palestras  sobre Introdução à Física de Partículas que foi a primeira palestra do dia na segunda, na terça e na quarta. Foi o Prof. Pedro Abreu de Portugal que nos ministrou a palestra. Se vocês forem naquele link que falei anteriormente do programa do curso, podem ver as apresentações que tivemos.

Depois desta palestra tivemos as boas vindas de um pesquisador do CERN chamado John Ellis, que sempre aparece no Discovery Channel! Olha que legal! Tirei fotos dele e depois coloco aqui para vocês verem.

Outra professora portuguesa, Ana Maria Henriques Correa, nos deu uma palestra sobre como se detectar partículas. Isso vou explicar bem melhor depois para vocês pois é muito interessante entender alguns princípios para depois falarmos das principais experiências do CERN, que são quatro detectores principais: ATLAS, CMS, LHCb e ALICE.

Ainda na parte da manhã tivemos uma palestra com uma professora carioca, Carla Gobel, da PUC do Rio de Janeiro. Ela falou sobre matéria e anti-matéria e da assimetria que existe entre elas, ou seja, existe mais matéria do que anti-matéria, elas não existem na mesma quantidade, pois se fosse assim, elas se aniquilariam e não estaríamos aqui... Eles tentam explicar porque isso acontece e como estas coisas aconteceram após o Big Bang. Calma que vou explicar todas estas coisas em negrito mais a frente ok?!~

Finalizada a parte da manhã almoçamos e depois fizemos várias visitas: ao CAST, LHCb e a duas exposições: Globo e ao Microcosmo.
Depois das visitas tivemos um encontro com o Prof. Alberto Santoro, pesquisador brasileiro renomado na física de partículas. Foi muito motivador este encontro com ele!

Na terça depois da continuação da palestra de introdução à Física de Partículas, tivemos uma palestra muito bacana com a Profa. Clara Gaspar (minha xará) sobre sistemas de aquisição de dados. Depois veio o André Davi, pesquisador português nos falar do detector CMS no qual ele trabalha e sobre a participação de Portugal.

Depois do almoço fizemos uma visita à caverna do CMS que foi muitíssimo emocionante! Chegamos bem perto do detector, mas não podemos ir até lá com ele funcionando. Também fomos no Centro de Controle do CERN (CCC). Bem legal mesmo!!!!

Na quarta tivemos palestras de manhã, finalizando a introdução começada na segunda, outra bem interssante com o professor português Paulo Gomes sobre o controle da Criogenia dos aceleradores e a última da manhã sobre a aplicação da Física de partículas com o prof. português João Guilherme Correa. Falamos mais delas mais adiante.

À tarde, após o almoço, fizemos uma atividade diferente, de caça ao tesouro na cidade de Genebra.

Fomos pegar as pistas em pontos turísticos e foi uma forma bem legal de conhecer mais a cidade.

Fomos por exemplo, na sede da ONU que fica em Genebra, na Catedral St. Pierre, também ponto muito conhecido na cidade. Tirei milhares de fotos (vocês sabem como eu gosto de tirar fotos né?!)e vou colocá-las em breve aqui.

Quando acabaram-se as atividades, encontrei-me com meu grupo, formado por 4 professores portugueses e 2 brasileiros (eu e o Prof. Carlos que também tem o blog) para levantarmos questões que ficaram para fazê-las depois em momento apropriado.

Na quinta tivemos mais uma palestra sobre aplicações da Física de Partículas na física médica com o prof. português Luis Peralta. São muito úteis e interessantes estas aplicações que vou contar para vocês depois. Depois, com o prof. português Jorge Dias de Deus tivemos a palestra sobre Física de Partículas e o Universo. Adorei!!! Como adoro Astronomia, gostei muito do que foi falado e com certeza vamos discutir sobre isso.

Tivemos mais algumas visitas e logo logo conto para vocês.

Enfim, na sexta, tivemos uma palestra com a profa. protuguesa Sofia Andringa sobre raios cósmicos, que são partículas de altas energias e que não precisam de aceleradores para isso. O prof. português António Onofre nos falou sobre o detector ATLAS e a participação portuguesa nele e o que eles estão investigando. O prof. Gaspar Barreira nos falou das questões que ainda estão em aberto na Física de particulas e no Universo.

Tivemos uma sessão de perguntas na parte da manhã e da tarde muito esclarecedoras!

Dei uma resumida básica, mas voltarei em todos os pontos importantes.

Estou com saudades de todos!

Abraços

terça-feira, 6 de setembro de 2011

Dica de Blog

Olá a todos!
Tenho uma dica bem legal! O professor Carlos, que está aqui comigo também fazendo o curso, também está fazendo um blog que vale a pena passar por lá: http://carlosnocern.blogspot.com/
Ele tem escrito muitas coisas legais e está mais adiantado que eu nas notícias.
Estou um pouco enrolada para dar conta de tudo que tenho para fazer aqui: participar das aulas, visitas aos experimentos, discussão de grupos e também conhecer um pouquinho de Genebra, pois ninguém é de ferro né?
Tenham paciência que vou colocando as notícias aos poucos.
Abraços

segunda-feira, 5 de setembro de 2011

O primeiro dia de curso - 4/09/2011

Olá a todos!
         Desculpem mais uma vez a demora. Estou meio atrasada nos posts.
         Nosso curso começou no domingo às 14h daqui da Suiça. Se quiserem ver toda a programação é só clicar aqui:  Programação do V Escola de Física para professores de Língua Portuguesa
         Vou contar brevemente para vocês o que fiz neste dia.
         Como nosso curso só começava à tarde, aproveitamos para acordar mais cedo para ir dar uma volta no centro de Genebra pois seria um dos únicos dias que teríamos para passear, fora a quarta-feira que teremos uma caça ao Tesouro em Genebra, tendo que passar por alguns pontos turísticos, mas tudo de uma forma rápida. Resolvemos então passar então no Museu de História Natural e na Catedral St. Pierre.
         Pegamos o Tram que fica na saída do CERN. Não sei se contei para vocês, mas aqui compramos um ticket numa máquina que fica no ponto do Tram, que não dá troco. Aí vc tem que colocar o valor exato, senão perde dinheiro. A moeda que usam aqui é o franco suiço que é quase a mesma coisa que o euro. A passagem custa 3 francos suiços. Aí não tem cobrador no bonde como aqui tem nos ônibus. Você compra e entra e ninguém vem checar. De vez em quando passa uma fiscalização e se você não tiver o bilhete paga uma multa de 100 francos. Nós estamos pagando sempre!
        O museu é bem legal e tirei muitas fotos. No próximo post coloco algumas ok?!
        Na Catedral passamos na frente e tiramos fotos, lá dentro também. Só nao deu tempo de ir no museu arqueológico que fica no sub solo, pois tinhamos que voltar para almoçar e ir para o primeiro dia de curso. Uma pena... Se der, volto lá outro dia.
       Voltamos de tram novamente e almoçamos no refeitorio aqui no CERN. 
        Tivemos uma palestra inicial com o Prof. Mick Storr daqui do CERN. Ele falava em inglês e o professor Pedro Abreu (responsável pelos professores portugueses) traduzia. Mas dava para entender perfeitamente o inglês dele. Ele é muito simpático.
       Depois tivemos uma palestra com o Prof. José Carlos Da Silva  de Portugal que falou sobre o CERN, qual é a sua missão, quais são os problemas que o laboratório quer resolver etc. Muito interessante!
      Após isso o grupo de professores (72 no total) foi dividido em dois para fazer visitas ao detector ATLAS e ao SM-18. Vou fazer um post mais detalhado destas visitas ok?! Não fiquem preocupados com este monte de siglas que vou explicando aos poucos.
      Ao fim das visitas, foram feitos grupos, misturando os professores do Brasil com os de Portugal e de alguns países da África de língua portuguesa. Esta equipe se reunirá todos os dias para discutir, levantar dúvidas e vamos juntos na Caça ao tesouro.
     Conto mais coisas depois.
     Abraços 
 

domingo, 4 de setembro de 2011

Algumas fotos tiradas do avião e em lugares que passei

Pessoal,

Aqui estão algumas fotos que tirei do avião:

Avião saindo de São Paulo

São Paulo vista de cima

                                           
Brasília vista de cima

Nosso avião que fomos para Portugal e alguns amigos do grupo (Prof. Nilson, Juliana e Roni do meu lado e a Mainara mais ao fundo)
Fila imensa para carimbar passaporte
                                                Ponte Vasco da Gama em Portugal

Vou colocar mais fotos depois. Tenho que ir tomar café agora e depois ir para o curso!
Saudades de todos vocês!!!

Início do Diário de Bordo - dias 2 e 3 de setembro


            Meu vôo saía do aeroporto de Congonhas em São Paulo às 13:43. Meu marido Raphael foi me levar. Quando saímos de casa às 10:00 (um pouquinho atrasados do que tínhamos combinado no dia anterior...) já pegamos um engarrafamento no Tapetão por conta do UPA (Universidade de Portas Abertas). Mudamos nossa rota e o caminho estava mais livre! Ufa! Depois ainda pegamos uma lentidão na Marginal do Tietê, mas nada que atrasasse muito. Ao meio dia estávamos lá para fazer o Check-In.
            Despachamos a mala. Estou levando uma bem grande e com espaço para trazer muitas coisas da Suiça!
            Almoçamos numa lanchonete no aeroporto. Tirei meu casaco e deixei na cadeira, pois estava meio calor. Tinha uma família italiana no nosso lado e uma menininha estava no meu lado. Ela esbarrou no suco e eu, quase como no filme do Matrix, desviei, não sei como, e por pouco não fiquei toda enxarcada! As minhas aulas de Capoeira me ajudam de vez em quando nos reflexos! Hahaha Meu braço ficou todo molhado, mas deu para secar. Imagine se estivesse de casaco?! Essa foi por pouco!
                Logo depois já fui para o embarque. Este foi o primeiro trecho da viagem, de São Paulo a Brasília.
            No vôo conheci o Wagner, um dos integrantes do grupo de professores brasileiros que também estava indo para o CERN que é de Botucatu. Nosso vôo chegou às 15:20 em Brasília pontualmente.
            Chegando lá fomos procurar onde teríamos que apresentar o passaporte, pois de Brasília iríamos para Lisboa (Portugal). Fomos ao balcão da TAP (empresa aérea) e pegamos nossos bilhetes para este trecho e para o próximo, de Lisboa até Genebra (Suiça).
            Fomos embarcar e passamos pelo raio-X. Até cinto tive que tirar!! Na espera do avião, encontramos mais 6 integrantes do grupo: Prof. Nilson (responsável pelo grupo de professores brasileiros), Roni, Christiano, Andreia, Juliana, Mainara. Os demais integrantes embarcaram em outras localidades e nos encontraríamos todos em Lisboa, além de encontrar mais 40 professores portugueses que também irão ao CERN. Embarcamos às 17:05.
            Este trecho do vôo foi o mais longo! Levou 8 horas de viagem! Por volta das 18:30 nos serviram o jantar. A aeromoça serviu a comida (Escalope de frango com Arroz de Passas, salada com alface roxa, radicchio (sei lá o que é isso...) e tomate e vinha com uma sobremesa, um bolo de brigadeiro! Hummm. Aí ela foi me servir a bebida. Eu pedi uma Coca. Aí vocês nem imaginam o que aconteceu... A Coca estava quente e ela foi abrí-la do lado de quem, de quem?? De mim, é claro! Resultado: Tomei um banho de Coca! Molhou minha cabeça, meu travesseirinho (que era do avião mesmo) e meu casaco! Desta ele não escapou... Ai ai ai, que sorte a minha!! Acho que estas coisas só acontecem comigo. Mas eu tava tão feliz com a viagem para a Suiça que nem me estressei. A aeromoça me deu uns guardanapos para me limpar e disse que a Coca explode de vez em quando... Nem pedir desculpas direito ela pediu... Mas tudo bem, não é isso que vai me abalar! Hahahha Podem derramar tudo em mim que não vou nem ligar!
            Depois da saga da limpeza do casaco comecei a comer. Tava tão atrapalhada que meu tomate escorregou e foi parar no chão! Ai meu Deus, quanta confusão!!!
            Chegando em Portugal no horário previsto, 6:20 do horário deles, que são 4 horas a mais que no Brasil, entramos numa fila imensa para conseguir o carimbo no passaporte para a entrada na Europa. Fizeram várias perguntas sobre o que faríamos em Genebra e tal. Nisso, estava quase na hora do outro vôo. Saímos apressados, passamos pelo raio-X novamente e nos dirigimos ao avião. Acho que só estava faltando a gente!
            Chegamos bem no aeroporto de Genebra na Suiça, por volta das 11:20 – horário daqui, que dá uma diferença de 5 horas a mais que no Brasil. Conhecemos o restante do grupo: Fabiana (eu já conhecia, fez uma disciplina do mestrado comigo), Luciana, outro Wagner, João, Evando, Rubem, Carlos, Oberland, Regina, Dielson e Wanderson. Ainda faltam dois integrantes (Rafael e José) que vão chegar depois.
 Lá havia um ônibus do CERN nos esperando. Alguns foram nele, outros foram de bonde comum, que aqui se cama Tram.
            Chegamos ao CERN, ai que emoção! Fica bem próximo ao aeroporto. Fomos distribuídos em alguns prédios que são alojamentos nos quais os pesquisadores que vem para cá ficam. Olha que chique!
            Depois de almoçarmos no refeitório do CERN, resolvemos ir para o centro de Genebra para ver o comércio. Ficamos sabendo que ficava aberto até as 17 horas só.
Adivinhem só o que fomos procurar??? Chocolate, é claro! Fomos na loja Manor, uma loja de departamentos e fizemos a festa!!!  Vou sortear alguns entre os alunos!
Depois muitos do grupo voltaram para o alojamento e eu e mais 5 pessoas (Wagner, Wanderson, Mainara, Dielson e Prof. Nilson) ficamos mais um pouco. A gente foi comer em uma pizzaria e estava uma delícia!! Depois voltamos de Tram para o CERN.
Esta foi a viagem e o primeiro dia no CERN. Vou contar mais, acompanhem!             

Cheguei ao CERN!!!!

Olá a todos!
Cheguei ao CERN!
Correu tudo bem na viagem e estou adorando aqui!!!!
Tivemos um pequeno problema com a conexão com a internet, por isso atrasei para postar aqui no blog. A partir de amanhã vou contar tudo o que estou fazendo, desde o dia em que cheguei.
Agora faltam 4 min para meia noite aqui em Genebra (Suiça). Aí no Brasil são 5 horas a menos, então faltam quatro para as oito da noite!
Tenho que ir dormir! Amanhã de manhã vou colocar algumas novidades ok?!
Acompanhem!
Abraços